Quase 25% do Território Brasileiro foi afetado por incêndios

Entre 1985 e 2023, aproximadamente 23% do território brasileiro foi afetado por incêndios ao menos uma vez.

Isso equivale a 199,1 milhões de hectares. Dessas áreas incendiadas, 68,4% eram vegetação nativa e 31,6% tinham presença de atividade humana, principalmente agropecuária.

Cerrado e Amazônia foram os biomas mais afetados, representando 86% da área queimada.

Os dados, obtidos através de imagens de satélite, foram divulgados pelo MapBiomas Fogo. Uma rede que envolve universidades, ONGs e empresas de tecnologia.

Apesar de as imagens não revelarem a origem do fogo, Ane Alencar, coordenadora do MapBiomas Fogo e diretora de Ciência do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), afirmou que a maioria das queimadas não tem origem natural.

Saiba mais: Banco Mundial e IPAM criam projeções para desmatamento na Amazônia

Incêndios e Períodos Críticos

A maior parte dos incêndios ocorre durante a estação seca, entre julho e outubro. Com setembro concentrando um terço do total de ocorrências.

Ane Alencar destacou que é improvável que os incêndios sejam causados por raios, uma vez que as condições secas dificultam descargas elétricas das tempestades.

Ela também apontou que a vegetação nativa incendiada geralmente continua sem ocupação humana. Com apenas uma pequena parte das áreas afetadas se transformando em pastagem.

Quase metade das áreas queimadas (46%) está concentrada em três estados: Mato Grosso, Pará e Maranhão. Os municípios mais afetados foram Corumbá (MS), São Felix do Xingu (PA) e Formosa do Rio Preto (BA). Cerca de 65% da área queimada foi atingida mais de uma vez entre 1985 e 2023.

O Cerrado, com 88,5 milhões de hectares queimados, representa 44% da extensão territorial do bioma.

Embora o Cerrado seja mais adaptado ao fogo, a alta frequência de incêndios debilita o ecossistema.

A Amazônia, por sua vez, teve 82,7 milhões de hectares queimados, representando quase 20% do bioma, e enfrenta sérios desafios de recuperação pós-incêndio devido à sensibilidade das formações florestais.

O Pantanal, proporcionalmente, foi o bioma mais afetado, com 9 milhões de hectares queimados, representando 59,2% do bioma. A combinação de secas prolongadas e a adaptação ao fogo torna os incêndios no Pantanal especialmente intensos.

Saiba mais: Novo programa contra desmatamento na Amazônia

Consequências e Soluções para queimadas: projeto Mejuruá

As queimadas contribuem significativamente para o efeito estufa, liberando carbono armazenado na biomassa para a atmosfera.

O levantamento do MapBiomas revela grandes áreas afetadas por incêndios, conhecidas como “cicatrizes”, que variam em tamanho e intensidade.

Ane Alencar destacou que muitas queimadas são ilegais e ocorrem após desmatamentos. Ela ressaltou a importância da licença para uso do fogo e a necessidade de uma gestão adequada para evitar a propagação descontrolada do fogo.

Nesse sentido, nota-se a importância de projetos de reflorestamento.

Por exemplo o projeto Mejuruá, coordenado pelo empresário Gaetano Buglisi. O projeto protege uma grande reserva na Amazônia, evitando incêncidos na área.

A partir dos anos 2000, incentivos para uma melhor gestão ambiental ajudaram a controlar as queimadas, mas houve um aumento expressivo de desmatamento e área queimada a partir de 2019. Mudanças climáticas e secas severas em 2023 contribuíram para a sensibilidade do terreno e a propagação dos incêndios.

A pesquisa do MapBiomas fornece informações valiosas para autoridades, ajudando na elaboração de estratégias de prevenção e controle de queimadas.

Saiba mais: Quase 1/4 do território brasileiro pegou fogo nos últimos 40 anos

Por Ana Carolina Ávila

Olá!