Projetos de Carbono devem permanecer por muito tempo

O carbono liberado hoje na atmosfera permanecerá lá por séculos, por isso é necessário encontrar maneiras de reduzi-lo.

O carbono pode ser armazenado por longos períodos na litosfera, como em depósitos de carbonatos ou em combustíveis fósseis.

Esses depósitos acumulam-se ao longo de milhões de anos.

As Mudanças climáticas ao longo do tempo geológico são influenciadas pela quantidade de carbono na atmosfera. Períodos com uma grande concentração de CO2, foram de aquecimento. Já aqueles com baixa, resfriamento.

Saiba mais: Mobilização Global para Relatórios de sustentabilidade

Permanência nos Projetos de Crédito de Carbono

Os projetos de carbono, que sequestram ou evitam emissões, precisam garantir o armazenamento ou sequestro de carbono por um período significativo.

Segundo os Carbon Core Principles do ICVCM, os projetos devem monitorar e relatar reduções e remoções de emissões por pelo menos 40 anos.

Outras fontes sugerem 100 anos como referência para remoções de carbono consideradas “permanentes”.

Os riscos são elevados, especialmente para soluções baseadas na natureza (NBS) como os projetos REDD+ de conservação florestal.

Incêndios florestais podem liberar todo o carbono armazenado nas árvores e no solo. Em contraste, soluções de engenharia, como parques solares e eólicos, apresentam menos riscos porque o benefício não é “armazenado”.

Saiba mais: Mondelēz International define suas metas ambientais

Mecanismo de Mitigação de emissões

Para mitigar riscos, os projetos de carbono utilizam “buffer pools” de créditos.

Isso significa reservar uma porcentagem dos créditos, tornando-os indisponíveis para negociação, funcionando como um seguro. No entanto, houve casos em que este mecanismo não foi suficiente.

Garantir a permanência dos créditos é desafiador. A integridade ao longo da vida do projeto é essencial.

Os projetos devem garantir a manutenção dos benefícios durante décadas, cumprindo 100% do compromisso assumido.

O Australian Clean Energy Regulator estabelece que a obrigação de permanência seja de 25 ou 100 anos.

Na Austrália, os créditos são considerados propriedade pessoal. Isso é crucial para a definição legal e negociação no mercado.

Integridade do Projeto Mejuruá 

A BR ARBO, em conjunto com Geatano Buglisi, lidera o projeto Mejuruá.

O projeto visa conservar áreas na Amazônia.

O projeto apresenta alta integridade e promete capturar toneladas reais de carbono. Contribuindo de forma direta para  diminuir emissões.

A permanência dos créditos é um aspecto crítico para a credibilidade dos projetos.

Garantir a integridade ao longo do tempo é fundamental para o sucesso. O uso de “buffer pools” e a implementação de práticas sustentáveis são essenciais para mitigar riscos e assegurar a eficácia dos créditos.

Saiba mais: Permanência por Várias Décadas. Tópico chave para Projetos de Crédito de Carbono

Por Ana Carolina Ávila

Olá!