Apoio da Casa Branca aos Mercados Voluntários de Carbono

Recentemente, a Casa Branca manifestou recentemente um significativo apoio aos mercados voluntários de carbono (MVC).

Destacando seu potencial para facilitar a redução e remoção de emissões de gases de efeito estufa.

Seis líderes de departamentos e escritórios federais dos EUA, incluindo os do Tesouro, Agricultura e Energia, emitiram uma declaração política conjunta.

Estabelecendo princípios fundamentais para melhorar a integridade e a eficácia desses mercados.

Saiba mais: Produtos e Serviços ESG

Princípios Estabelecidos

Os princípios incluem:

  1. Descarbonização Verdadeira: Créditos de carbono devem representar uma real descarbonização. E evitar danos ambientais ou sociais, gerando co-benefícios transparentes e inclusivos.
  2. Prioridade para Reduções Próprias: Compradores corporativos devem priorizar reduções mensuráveis de emissões em suas próprias cadeias de valor.
  3. Divulgação Pública: Empresas devem divulgar publicamente a natureza dos créditos adquiridos e retirados.
  4. Reivindicações Precisamente Baseadas: Reivindicações públicas devem refletir com precisão o impacto climático dos créditos. E se basear apenas em créditos de alta integridade.
  5. Melhoria da Integridade do Mercado: Participantes do mercado devem contribuir para esforços que melhorem a integridade do mercado.
  6. Facilitação da Participação Eficiente: Facilitar a participação eficiente no mercado e buscar custos de transação mais baixos.

Crescimento dos Mercados Voluntários de Carbono

Embora os MVC existam há 25 anos. Eles ainda são relativamente pequenos comparados ao volume de GEE que precisa ser reduzido.

Mesmo com um crescimento de mais de 25% ao ano entre 2019 e 2023. O mercado estagnou devido a preocupações com a sua integridade.

A declaração da Casa Branca sugere que, com os incentivos e proteções corretas, os MVCs podem crescer significativamente.

E desempenhar um papel vital na transição energética e no combate às mudanças climáticas.

Saiba mais: Projetos de REDD+ no Amazonas podem gerar R$ 8 bi em créditos de carbono

Desafios e Iniciativas dos mercados 

A falta de acordos intergovernamentais continua sendo um desafio para o desenvolvimento dos MVCs. No entanto, várias organizações estão trabalhando em mecanismos para melhorar a integridade e a eficácia dos mercados:

  • Comissão de Negociação de Futuros de Commodities dos EUA (CFTC): Está desenvolvendo diretrizes para VCMs, promovendo governança, integridade e normalização.
  • ICVCM e VCMI: Estão atualizando seus princípios para definir o que constitui um crédito de carbono de alta qualidade.
  • Parlamento Europeu: Adotou um acordo provisório sobre o regulamento sobre remoções de carbono e agricultura de carbono (CRCF), estabelecendo um quadro voluntário para a certificação.

Saiba mais: Apoena Biotech estuda recursos biológicos na Amazônia

Considerações Finais sobre a declaração

A confiança dos investidores e a clareza regulatória são cruciais para o desenvolvimento e a escalabilidade dos MVCs.

Decisões sobre o Artigo 6 do Acordo de Paris, juntamente com o trabalho de atualização das metodologias pela Verra, são passos importantes para construir a confiança e estabilidade do mercado.

A colaboração entre partes interessadas e a implementação de padrões rigorosos são essenciais.

Para garantir a eficácia dos mercados voluntários de carbono no apoio à descarbonização global.

BR ARBO está nesse mercado

A BR ARBO, por meio do projeto Mejuruá, contribui para a retirada de toneladas de carbono da atmosfera.

O projeto, liderado por Gaetano Buglisi, comercializa créditos de carbono de uma reserva na Amazônia.

Dessa maneira, conseguem unir desenvolvimento econômico com o sustentável.

Permitindo que o mercado de carbono cresça globalmente e contribua de forma eficaz na mitigação das mudanças climáticas.

Por Ana Carolina Ávila

Olá!