Queda no Valor de Mercado nos Créditos de Carbono

Em 2023, o mercado de créditos de carbono registrou uma queda significativa de 61% no valor, caindo de 1,9 bilhões de dólares para 723 milhões.

Esta retração foi atribuída a uma série de relatórios científicos e de imprensa que questionaram a eficácia dos projetos de crédito de carbono.

Destacando a inutilidade de muitos esquemas e levantando preocupações sobre os direitos humanos em alguns projetos.

Principais Pontos dos Relatórios sobre créditos de carbono

O mercado encolheu 61%, de 1,9 bilhões de dólares em 2022 para 723 milhões de dólares em 2023.

Esses dados estão de acordo com a pesquisa do Ecosystem Marketplace.

Compensações geradas por esquemas de proteção de florestas tropicais.

Considerado o tipo mais popular, esses créditos perderam, 62% de seu valor entre 2022 e 2023.

Devido as especulações que milhões de compensações de carbono eram “inúteis”.

Fato relevado em investigação conjunta do Guardian apontou que mais de 90% das compensações de carbono das florestas tropicais eram falhas.

Levantando problemas em projetos certificados pela Verra.

Saiba mais: Taxas Globais de Desmatamento continuam a Alarmar

Além de alguns projetos associados a preocupações de direitos humanos.

Reações e Comentários

Julia Jones, Universidade de Bangor, destacou a necessidade de reformas urgentes para que os mercados de carbono funcionem como pretendido.

Alertando que a ideia de combater as mudanças climáticas.

Através da desaceleração da desflorestação tropical não deve ser desacreditada.

Janet Yellen, Secretária do Tesouro dos EUA, enfatizou que as empresas deveriam priorizar a redução de emissões.

Contudo, apoiou os esforços para que os créditos de carbono tenham sucesso.

Saiba mais: Organizações Brasileiras lançam a “Iniciativa Brasileira para o Mercado Voluntário de Carbono” com o objetivo de posicionar o país na liderança de um mercado global de alta integridade

Reformas e Futuro dos créditos de carbono

Um evento recente na Casa Branca apoiou esforços liderados pela indústria para reformar os mercados de carbono.

Buscando evitar o greenwashing e garantir que os créditos representem um impacto ambiental real.

Jones sublinhou a necessidade de mais financiamento para combater a perda contínua de florestas e os serviços vitais que elas fornecem.

Sugerindo que um mercado voluntário de carbono reformado poderia desempenhar um papel crucial nesse financiamento.

Saiba mais: Mondelēz International define suas metas ambientais

BR ARBO e os créditos de carbono

O mercado de compensações de carbono enfrenta um momento de transição crítico.

A necessidade urgente de reformas para garantir a eficácia e a integridade dos créditos de carbono.

A BR ARBO Gestão Florestal busca preservar pela integridade do mercado.

Garantindo créditos de qualidade e transparência em seu projeto Mejuruá, liderado pro Gaetano Buglisi.

Por Ana Carolina Ávila

Olá!